Como funciona a pontuação na Liga Mundial de Surfe?

Cada modalidade esportiva possui uma dinâmica única para determinar o vencedor. Em esportes medidos por pontuação, aquele que supera os oponentes em quantidade ganha. Isso é evidente no vôlei, por exemplo. A intensidade cresce ponto a ponto. Entretanto, em outras práticas esportivas, a vitória é concedida a quem completa o percurso primeiro, em um tempo inferior ao dos concorrentes. O alívio surge apenas ao cruzar a linha de chegada. Durante os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020, mesmo acompanhando as competições pela televisão, nos unimos à canoísta Isaquias Queiroz na conquista de uma medalha de ouro.

Contudo, há diversos outros esportes nos quais determinar o vencedor envolve fatores subjetivos. A decisão recai sobre um painel de juízes, com base em critérios técnicos. Rayssa Leal, medalhista de prata nas Olimpíadas e ouro nos X-Games, tem se destacado na Liga Mundial de Skate Street, cativando a torcida com manobras de tirar o fôlego até que a última nota seja anunciada. Ao seguir esse sistema de pontuação, o surfe se enquadra.

As regras da WSL, a Liga Mundial de Surfe, que é o campeonato mais prestigiado para atletas de elite nessa modalidade, são bem definidas e fundamentadas, mas ainda assim dependem da subjetividade em cada confronto.

Como funciona as regras de pontuação na Liga Mundial de Surfe

Para um entendimento mais aprofundado dessas regras, o site Investimento web explica a seguir como funciona o sistema de pontuação no surfe:

Emparceiramentos

De acordo com as regulamentações da WSL, cada etapa é dividida em rodadas, e cada rodada contém um número de baterias, nas quais dois a quatro competidores se enfrentam para obter a melhor pontuação. O vencedor avança para a próxima rodada. Nas rodadas finais, ocorrem duelos diretos entre dois surfistas.

Avaliação

Em cada bateria, que tem duração média de 30 minutos, os surfistas são avaliados por cinco juízes, que dão notas em uma escala de 0 a 10. São consideradas as duas melhores ondas de cada competidor, independentemente do número de ondas surfadas.

A maior e a menor nota atribuídas pelos juízes são descartadas, e a nota válida é a média das três restantes. Portanto, a pontuação máxima que um surfista pode alcançar em uma bateria é 20 pontos (duas notas 10).

Critérios

Para atingir a melhor média possível, os surfistas precisam executar manobras levando em consideração cinco aspectos principais:

  • Comprometimento e grau de dificuldade
  • Manobras inovadoras e progressivas
  • Combinação de manobras marcantes
  • Variedade de manobras no repertório
  • Velocidade, força e fluidez

As notas são categorizadas da seguinte forma:

  • 0 a 1.9: Ruim
  • 2 a 4.9: Regular
  • 5 a 6.4: Boa
  • 6.5 a 7.9: Muito boa
  • 8 a 10: Excelente

Com base nesses critérios, os juízes avaliam as atuações de cada surfista em cada onda e atribuem notas ao conjunto da performance.

Assim, apesar da avaliação subjetiva, é necessário demonstrar versatilidade nas manobras e escolher bem as ondas.

Os juízes também consideram as condições do mar durante as baterias. Em um dia, a maré pode favorecer os surfistas, enquanto em outro, as condições podem ser menos favoráveis. Portanto, as notas levam em conta as habilidades dos surfistas dentro das circunstâncias oferecidas.

Prioridade e interferência

Durante as baterias, os atletas têm a liberdade de escolher qual onda surfar. Em baterias com até quatro participantes, eles podem até compartilhar a mesma onda. Contudo, quando as baterias são entre dois competidores, uma regra crucial deve ser observada: a prioridade.

Juízes que monitoram de perto a bateria sinalizam com bandeiras da cor da lycra do atleta quem tem prioridade na onda. Essa prioridade é momentânea.

O surfista que chega primeiro até o outside, onde as ondas se formam, obtém a primeira prioridade e pode escolher a onda que deseja surfar sem sofrer interferência. Assim que ele pega a onda, mesmo que a perca em seguida, a prioridade é transferida ao próximo competidor.

Quando dois competidores pegam a mesma onda, o primeiro que retorna à zona de arrebentação ganha prioridade na escolha da próxima onda.

Se o surfista com a prioridade decidir pegar uma onda, seu adversário também pode surfar na mesma onda, mas não deve atrapalhar seus movimentos. Caso ocorra interferência, o surfista sem prioridade pode receber uma penalização.

Os surfistas penalizados com interferência, na maioria dos casos, têm apenas a nota de uma onda considerada. Ou seja, a média das notas da bateria é impactada significativamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *